quinta-feira, 27 de julho de 2017

Hum, teu olhar é único


Hum, teu olhar
Deságua em lagos,
Rios e mares,
E em águas cristalinas
Acaricia as pedrinhas do rio
E, com cuidado, acompanha
A  pipa azul a flutuar
No desbotar delicado
Do papel de seda,
Sendo envolvido pelas águas...
Ah, teu olhar é intenso e suave,
Em tuas águas navega,
Sem pressa, e confiante
O frágil barco de papel
E as pétalas de flores,
presentes do vento...
Ah, em teu olhar intenso e suave,
Encontro amor, busco respostas
E sinto tuas carícias, banhando
Em curiosas ondas meu coração,
Corpo e alma...
Hum, teu olhar é único.
Vanice Zimerman, IWA
 25/07/2017

Haicai 954


fim de tarde-
os  galhos da  pitangueira
repletos de flores...
Vanice Zimerman, IWA
27/07/2017

Hoje, eu queria ser àquela rosa...



De manhãzinha ao sentir o sol
Em meu rosto e admirar as roseiras,
Desabrochando no jardim,
Senti vontade de ser uma rosa,
E respirar o azul do céu,
Seguindo o voo
Das sementes de dentes- de- leão...
Hoje, eu queria ser  àquela rosa branca,
Tua e única rosa, perfumado o dia,
E com as cores das pétalas,
Tingiria  o céu azul com  algumas nuvens,
E desenharia dois corações entrelaçados,
Unidos num diáfano laço  de amor e poesias
Hoje, eu queria ser àquela rosa...
Tua rosa,
E assim voar e,  em tua mão pousar...
Vanice Zimerman, IWA 
26/07/2017

Mar de solidão


Num  mar de solidão,
Anoitece  em mim, uma saudade
Imobilizam-se os reflexos da Lua,
Silenciam-se as ondas
As dores...
E a passagem do tempo?
Em lágrimas se dispersa,
E refugia-se no encanto
Das lembranças do amor,
Da lâmina afiada que corta
A pétala, e divide o espinho
Da roseira ao meio,
À meia-luz
Das noites insones,
Silenciando, meus pensamentos.

Vanice Zimerman, IWA - 27/07/2017
***

terça-feira, 25 de julho de 2017

25 de julho, Dia do Escritor - Parabéns!


Parabéns a todos os escritores!

Dia do Escritor

Nas  páginas em branco, aos poucos aconchegam-se as letras, as palavras e  frases que inspiram poemas e textos... Páginas que lembram telas à espera da emoção do escritor para pintá-las...

Vanice Zimerman, IWA - 25/07/2017
*****
Origem do Dia Nacional do Escritor

"A ideia de homenagear todos os escritores no dia 25 de julho surgiu a partir do I Festival do Escritor Brasileiro, organizado na década de 1960 pela União Brasileira de Escritores, sob a presidência de João Peregrino Júnior e Jorge Amado, um dos principais nomes da literatura nacional."


Despede-se a porta


Encostadas num
Canto do muro,
As rachaduras
Da antiga porta de madeira
Desenham caminhos
E mosaicos pincelados
Pelo tempo, sol e chuva...
Em um breve ritual
Luz e sombra passeiam
E, assim cada cantinho da porta,
E na maçaneta  imóvel
Permanece, ainda o sutil toque
Das mãos que as tocaram,
Tonaliza-se  os reflexos e sombras
Nas rachaduras, há sempre as lembranças
De outros pores do sol e os aromas
Das flores de laranjeira,
Que perfumam com notas suaves
A despedida de mais uma  tarde
De inverno...
Vanice Zimerman, IWA
 23/07/2017

PAISAGEM "LÍQUIDA"



Manhã nublada:
Está vendo àquela curva,
Próxima à árvore,
Ainda com algumas flores do Manacá?
Em alguns segundo o trem passará
E, continuará seu caminho,
E na curva, desaparecerá...
Há um encanto
Nas pequenas flores amarelas
Que crescem corajosas
Entre os dormentes.
A magia permanece nas janelas do trem,
Refletindo, como se fossem espelhos,
Uma paisagem “líquida”
E misteriosa,
Os tons de verde movem-se
Misturam-se, às roupas coloridas
Que secam no arame farpado
E bailam ao vento,
E assim, essa bela paleta de cores
Por segundos, envolve
Num bem-vindo abraço
A cachoeira...
Ah, o som do trem
Acaricia o silêncio,
Enquanto às lágrimas deslizam,
Tonalizando a manhã
E inspirando um poema...

Vanice Zimerman IWA - 25/07/2017

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Às últimas folhas do Plátano



Tarde fria de inverno,
Invade-me uma saudade
Que se aconchega
Às últimas folhas do Plátano,
Ainda ficou em mim,
Encantados  traços do outono,
Enquanto um vento menino,
Incentiva o voo inseguro
De uma página solta na calçada,
Feito um pássaro, começando a voar...
Sinto um desassossego
Pincelado de solidão
Que sonha em banhar-se
Nos tons suaves/intensos
Da cerejeira em flor, e sentir o calor
Do teu tênue sol, meu Amor...

Vanice Zimerman, IWA
19/07/2017
Foto: 2012
***
Chet Baker's Autumn Leaves

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Um Portal


À noitinha
Ao alcance das mãos
Desperta a aquarela adormecida,
Inacabada,
Que me fará companhia
Em mais uma noite de inverno,
Gosto de sentir suas delicadas cores,
Lembro-me de Alice e fico  pequena,
E assim posso viajar
Na imagem do portal azul...
Devaneio e até esqueço  a hora do chá.
Desperta a aquarela adormecida,
Espreguiçam- se os contornos,
As pedras, o ferro e os tons de magenta,
Silenciam-se meus pensamentos.
Vanice Zimerman, IWA
 17/07/2017

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Em silêncio...


Um tênue barco a vela
Viaja contido
No barquinho de papel,
Enquanto as lágrimas desenham
Linhas em minha face,
O amor e saudade
Em silêncio
Rabiscam as letras do teu nome,
Nas linhas d'água
E, o barquinho de papel,
Curioso navega em meus sonhos,
E, do vidro trincado da janela
O pássaro continua a me observar
E, juntos em pensamento
Voamos livres...
Vanice Zimerman, IWA
14/07/2017

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Carícias, promessas e beijos


Insinua-se a Lua
E espia a janela entreaberta,
Enquanto  as notas de Jazz
Deslizam num ritmo encantado,
Percorrendo sem pressa
Os caminhos da camisa branca...
Carícias, promessas e beijos
Abrem os delicados botões
De pérolas...

Vanice Zimerman, IWA
13/07/2017

****
https://www.youtube.com/watch?v=mUiCSdBN8Tg
Miles Davis - Flamenco Sketches

domingo, 9 de julho de 2017

As Gárgulas, o Lobo e a Lua



Madrugada,
Da torre mais alta
Do antigo castelo
Seculares  gárgulas despertam
Do mármore libertam-se
Renascem,
Enquanto, no jardim
Um lobo admira
O reflexo da lua
A flutuar na fonte,
Imóvel o lobo
Apaixona-se...
Sonha com o beijo da Lua,
Que cintila em seu olhar
Deseja alcançá-la,
Possuí-la,
Um romance impossível...
As gárgulas, agora,
Curiosas, mas em silêncio
Aproximam-se do lobo,
Elas entendem de solidão,
De saudade, e sentir
A passagem sem pressa
Do tempo e tão pouco
Tempo para amar...
Lágrimas deslizam,
Começa  a chover...
Vanice Zimerman, IWA
09/07/2017

sábado, 8 de julho de 2017

O AMOR DEVERIA SER...



Curioso, igual a um gato a brincar
Com a própria sombra...
Forte, para vencer os desafios
Da distância, da ausência, 
Do desencontro, da dúvida!
O Amor deveria ser:
Surpreendente, como o primeiro beijo!
Capaz de nos fazer invencíveis 
Para podermos voar bem alto, 
Até chegar perto do Sol, 
Sem perder, a sensibilidade de sentir 
A beleza e harmonia 
Que existe em cada gota de chuva...

Vanice Zimerman, IWA

domingo, 2 de julho de 2017

PALAVRAS DOBRADAS


Dobraram-se as palavras
E juntas constroem um barco de papel,
E, um cata-vento...

Em um espaço surreal
Estão as palavras que cortam,
Ferem,  decepcionam e queimam
Lembram lâminas afiadas...
As palavras podem ser roubadas,
Mas, emoção de quem as escreveu,
Nunca, copiadas...

Desdobram-se as palavras
Que velozes superam o vento,
Movem as folhas secas,
E, apagam a chama da vela,
Quando se despede a Vida...

Há palavras de amor
Que tecem sonhos e imagens
E assim os olhares cintilam...
A palavra saudade conchega-se,
Devagarzinho ao espelho
E estilhaça em uma implosão
A ausência e solidão...
Em gotas de tintas as palavras passeiam,
De mãos dadas com a inocência
E pincelam nuvens de algodão doce,
Um sol azul e uma borboletinha de cristal,
Quase, transparente
E assim,  as gotinhas coloridas,
Desenham um sorriso no olhar da criança...
Enquanto os ponteiros
Do antigo relógio não param
As horas se embalam,
Entrelaçando as palavras,
Construindo pontes de pétalas
Ao som daquele sino de vento,
Que guardei para você, meu amor...
E, enfim as palavras dobradas,
Desdobram-se em mais um fim de tarde...
Vanice Zimerman, IWA
 02/07/2017

sábado, 1 de julho de 2017

Madrugada em versos

A noite fria
Envolve meu quarto,
Na imobilidade da cortina de rendas
Afasto-as com se pudesse
Descortinar a noite,
Ir ao teu encontro...
A saudade invade-me
Com as cores da madrugada,
Repleta da lembrança,
Do teu olhar e do toque
Carinhoso das tuas mãos,
E assim, observo na janela,
A solidão do vidro trincado
Com o desenho do perfil
De um pássaro,
Sinto tanto frio, e
Acaricio  devagar seus contornos
Para não cortar meus dedos...
Ele e eu não voamos,
Mas sonhamos em voar...
Enquanto  a madrugada em versos
Pincela, sem pressa,
As cores do nosso amanhecer...
Vanice Zimerman, IWA
em 28/06/2017

Tarde Fria


Na grama fria
Acomodam-se  meus pés
Sinto o sol, ainda  tímido,
E  o crisântemo
À espera do beija-flor.
Vanice Zimerman, IWA
01/07/2017

O balançar do vento


Acaricio
O balanço vazio
Eu  e  o vento
Volto a ser criança,
E adormeço.
Vanice Zimerman, IWA
01/07/2017