terça-feira, 3 de julho de 2018

Tecida com o azul do teu céu


À soleira da porta
Um redemoinho
De pétalas de rosa...


Na varanda,
Coberto com folhas
Em tons de “Terra di Siena”,
Entreaberto, um livro de poesia
De Mario Quintana...
Enquanto, meu coração pulsa
Num ritmo de saudade,
Tingindo à tarde
Com as cores do inverno,
Dispersando as rimas
De um poema de amor,
Sinto frio
E,  busco  na colcha de retalhos
Tecida com o azul do teu céu
Tua distante presença...
Vanice Zimerman IWA
 02/07/2018

Foto: Vanice Zimerman (2015)

“En passant...”


Vejo no espelho:
Uma  xícara de porcelana,
Agora, vazia
Sinto
O toque dos teus lábios-
“En passant...”
Vanice Zimerman, IWA
01/07/2018

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Sublime querer


Encanta-me
Esse lento decantar
Do chá de flores de calêndula,
Tingindo o bule de porcelana
Lembram tintas, aconchegando - se
À tela em branco...
Quero saborear o
O doce aroma dos teus lábios,
Envolvendo a xícara,
Um cálido beijo,
Enquanto o fim de tarde
Anoitece em nós-
Num único e sublime querer...
Vanice Zimerman, IWA
 21/06/2018

Teus braços...

Abraça-me
Com a tua voz
E, deixa-me adormecer
Em teus braços...
Incendeia-me
Com as carícias
Das tuas mãos...
Vanice Zimerman, IWA

sábado, 16 de junho de 2018

Reflexos e saudades...



Tarde nublada-
A porta de vidro
Do antigo sobrado
Reflete-me igual a um espelho,
Imóvel observo-me
Meu olhar, meus cabelos, minh’alma mudaram
Senti saudade de quem eu fui,
Dos meus sonhos, hoje tão distantes...
Por segundos, me senti fazendo parte
Da madeira que emoldura a porta,
Da fechadura, da textura da parede,
Banho-me na cor azul,
Enquanto, perco a noção do tempo
Meu passado e presente mesclam-se
A dor  faz-me  companhia, lembrando-me
Que nada será como antes...
Sinto o vento do futuro tocar meu rosto,
Penso que estou  pronta para a despedida,
Sou forte, sou frágil, vida e morte...
Sinto que faço parte da semente de dente- de- leão,
Que voa sem pressa,
A chuva que começa a cair molha meu rosto
E, despeço-me do meu reflexo na porta,
Difícil conter as lágrimas...
O frio outonal envolve-me,
Gotas de saudade abraçam-me...
Vanice Zimerman, IWA
16/06/2018

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Nas dobras do tapete da sala


Escondem-se as cores
Do fim de tarde
Nas dobras do tapete da sala,
Escondem-se os sons
Do fim de tarde
Na gaveta entreaberta do armário...
Escondem-se os aromas
Do fim de tarde
Na outra xícara de café vazia,
Que me observa num canto da mesa,
Enquanto, a saudade pulsa
No compasso do meu coração
A dor permanece-
Anoitece...
Vanice Zimerman IWA
11/06/2018

quarta-feira, 6 de junho de 2018

No cavalete...


Desliza o tecido azul
No cavalete...
As tramas do tecido
Em sintonia de luz e sombra
Alisam
A  secular  geometria,
Aquieta- se a madeira
Devaneia
Desliza o tecido azul,
Cobrindo as gotinhas de tintas...
Uma pausa-
Enquanto escrevo,
Minhas mãos
Recebem do vento
Beijos...
Vanice Zimerman, IWA
 03/06/2018

Lua de Seda



Lua de seda-
Tecida ao som da harpa
Tuas cordas bailam
E equilibram-se
Em linhas paralelas,
Inspirando meus versos,
Enquanto, a saudade
Anoitece e,
Espia-me
Do vidro trincando
Da janela...
Sinto frio,
Sinto falta
De adormecer
Em teus braços...
Ah, Lua de seda
Aquece-me
Enquanto observamos
A folha do plátano
Estrela do Outono-
Beijar
A cadeira de ferro, no jardim,

Silencio-me
Vanice Zimerman, IWA