terça-feira, 17 de maio de 2016

Despede-se a Vida


Despede-se a Vida
Em campos floridos,
Em tardes outonais
No toque  suave da harpa...
Despede-se a Vida,
Nas notas do teu perfume que eu não posso sentir
E, em teu rosto que a distância impede
Que eu acaricie...
A cada segundo de saudade imensa
Despeço-me da Vida em versos, e voo
Na pena branca que encontro caída na grama,
E deslizo na asa da borboleta amarela, que guardei
Para você, mas não pude entregar
E a deixei descansando na folha de Canson
Despeço-me da Vida em versos, e voo
magicamente em uma pausa do tempo,
Para junto de ti.
Vanice Zimerman Ferreira
17/05/2016