segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Pequenas Luas...


Madrugada,
Ao som da harpa
A saudade aquietou-se
E ficamos juntas, da janela,
Observando
A  Lua linda e solitária...
Triste  sina que ensina a conviver
Com a solidão,
E com a tua xícara de chá vazia
Triste  sina que ensina a conviver
Com ausência dos teus abraços,
Do teu perfume...
Solidão que se fragmenta em versos
E já derreteu relógios
Viajou em espelhos,
Buscando encontrar-te,
Em uma saudade que  construiu
Pontes de arco-íris...
Amor que  teceu poemas
Nas linhas das tuas,
Das nossas mãos...
O som da harpa silencia-se,
Silencio-me
E imagino em cada gota de chuva
Que começa a cair,
Uma pequena Lua
Com o reflexo do teu rosto,
Do teu distante rosto...


Van Zimerman
14/11/2016


https://www.youtube.com/watch?v=Gl64LXryFS8
C. Debussy - Clair de Lune (Harpa)