quinta-feira, 28 de abril de 2016

A LUA E EU


Da janela entreaberta
A solidão cintila
Fragmenta o coração,
Enquanto os versos dispersam-se
Em frente ao espelho,
Ah, no reflexo da Lua,
Distanciam-se as linhas das nossas mãos
E a saudade estilhaça-se
Em um poema,
Uma emoção contida que deságua
Em pequenos cristais azuis,
Lágrima solitária
Que envolve tua silenciosa, xícara vazia,
Permancendo ao lado da follha do Plátano,
Que guardei para você.

Van Zimerman

 em 24/04/2016