terça-feira, 29 de dezembro de 2015

A outra xícara de café vazia


Madrugada,
Do relógio de parede
Os números desprendem-se
Os segundos e minutos curiosos
Observam as horas contidas
Nas  gotas d' água que  deslizam
No vidro da janela...
Enquanto a Saudade desenha
Arabescos em teu retrato,
E na tua xícara de café vazia,
Sinto frio...


Van Zimerman
 29/12/2105