segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Janela Aberta e "Clair de Lune"






É madrugada, apago a luz, a janela da sala continua aberta, um vento curioso balança as cortinas, desalinha meus cabelos e pensamentos... Observo o jardim, não ouço mais o som  intenso das cigarras, e até a calçada, sem as tuas pegadas, também dorme.

O silêncio envolve-me, uma solidão bem-vinda que liberta a imaginação, vence as grades da janela, vence o ferro antigo e sai à procura dos olhos de diamante. Aos poucos, supera o medo do desconhecido, de sentir-se leve, livre e sem máscaras e te amar...

Ah, esse olhar tão encantado, difícil de ser encontrado é lindo e apaixonante, esconde-se em meus sonhos, entre as páginas de um livro de poesias, nas fotografias, e quem sabe, no espelho da sala. Enquanto a "Clair de Lune" acaricia minha alma e suaviza a dor da tua ausência,  deixo a janela aberta...

Van Zimerman

****
https://www.youtube.com/watch?v=Gl64LXryFS8