quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O POUCO TEMPO QUE TENHO








Escapa entre meus dedos
A areia dourada
Da antiga ampulheta quebrada.
O pouco tempo que tenho
Convida-me  a voar
Nas asas da borboleta
Àquela que fotografei
No jardim...
Escapa entre meus dedos
Os traços do teu rosto,
As linhas das tuas mãos.
A areia dourada
Da antiga ampulheta,
Empresta o  brilho
Para a chuva que começa a cair
E aos poucos desliza do telhado
E tinge de ouro cada gota d'água
Que acaricia os lambrequins.
O pouco tempo que tenho
Busca em meus sonhos
As flores de cerejeira
Que com carinho
Em uma aquarela
Guardei para você...
É tão pouco o tempo que tenho
E imenso é o meu amor, nosso amor.
Vanice Zimerman IWA
20/01/2017