quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

A Carruagem Azul

 

    No relógio da pequena torre, passava dois minutos das nove horas, os sons da manhã aos poucos envolviam às arvores, a estalagem, às janelas, cada tijolo e telha. A carruagem azul, puxada por quatro cavalos iniciava sua viagem, enquanto um dos cocheiros apressava-os com um chicote, que por segundos flutuava no ar...

  As bagagens ocupavam o espaço superior da carruagem: malas de vários tamanhos guardavam além das roupas e objetos, provavelmente também, valiosas lembranças e histórias de vidas. A cor azul e suas tonalidades deixam a cena com uma atmosfera bucólica e misteriosa.

   Esqueço o café, e observo com atenção cada detalhe da cena impressa na xícara e pires, viajo na imagem, nas cores e imagino os sons, os aromas dessa longínqua manhã...
By Vanice Zimerman Ferreira