quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Ainda não me acostumei com tua ausência...


Às vezes, cansado de esperar, sinto um desassossego que incomoda e tento buscar no calor de tuas mãos (ainda tangentes à mim), o toque suave dos teus dedos e o perfume de rosas tão peculiar. Mas não os encontro, encontro apenas, o silêncio e a solidão que parecem intermináveis...

Ai, lembro com saudade do brilho de teu olhar cada vez que nos encontrávamos, do encantamento que surgia com nossa cumplicidade deliciando-me depois de um tempo, com o aconchego em teu peito o que fazia  ficarmos bem juntinhos, enquanto você dormia...

Não sei exatamente quando, nem como aconteceu? Porém, aos poucos nos distanciamos. Você não me procurava mais com a mesma intensidade, nem deixava o café esfriando na xícara, enquanto compartilhávamos emoções e sonhos. Desacostumei do teu carinho, mas ainda não acostumei com tua ausência.

Continuo  esperá-la, pois sei  que me tem guardado em uma gaveta qualquer de tua saudade.

                                                                                                   Do teu antigo livro de poesias...



Vanice Zimerman



http://letrasdobviw.blogspot.com.br/